TV RÁDIO R

PROGRAMAS GRAVADOS. AGUARDE! EM BREVE, PROGRAMAÇÃO DIÁRIA!

Atualidades

Com motim de policiais, número de assassinatos no Ceará mais que dobra em fevereiro

Lisboa Móveis Parceiro da Rádio R desde 2008

Francisco Jorge Gomes Xavier, de 39 anos, e Jorgiane dos Santos Xavier, de 1 ano e 11 meses, pai e filha assassinados no último dia 22 — Foto: Arquivo pessoal

O número de assassinatos no Ceará cresceu 138% quando comparados os primeiros 25 dias do mês de fevereiro de 2019 e 2020. O aumento ocorre em um contexto de paralisação de parte da Polícia Militar, que chega ao 12° dia de braços cruzados neste sábado (29).

Foram registradas 153 mortes violentas em 25 dias de fevereiro de 2019; em igual período deste ano, a Secretaria da Segurança Pública contabilizou 364 assassinatos. A secretaria informou na quinta-feira (27) que não iria mais divulgar os dados diários de homicídio durante o motim dos policiais. Conforme a pasta, “com o fim do carnaval, há um acúmulo de trabalho no setor de estatística, que deve ser normalizado nos próximos dias”.

Em sete dias de motim de policiais militares, o Ceará teve, conforme a secretaria informou nesta sexta-feira (28), 198 homicídios. O número se refere ao período de 19 a 25 de fevereiro. Em média, ocorreram 28 assassinatos por dia – ou um a cada 51 minutos – em todo o estado. A média de homicídios no estado antes do início do motim era 8. A média de 6 casos diários chegou a ser divulgada, mas foi corrigida após a secretaria revisar os dados de janeiro e fevereiro.

Policiais do Ceará se reuniram com senadores para ouvir propostas do governo estadual, no último dia 20. — Foto: Kid Junior/SVM

Análise

De acordo com o sociólogo Luiz Fabio Paiva, do Laboratório de Estudos da Violência (LEV), da Universidade Federal do Ceará (UFC), há “um claro vazio de policiamento”. “Obviamente, tem um cenário de oportunidades para todas e as mais diversas práticas de crimes, como ações de milícias, facções, muitos acertos de conta.”

Para o pesquisador, a tendência é o crescimento de crimes comuns, como furtos e assaltos e os que ocorrem em decorrência deste, como os latrocínios. O procurador-geral da Justiça do Ceará, Manuel Pinheiro, avalia que a paralisação tem causado “desordem pública, desassossego para o cearense”.

Fonte:  G1